x

Simulador de financiamento


1
2
3
4
5

Selecione a sua região

Selecione a sua cidade

Como se preparar para comprar o seu primeiro imóvel

Como comprar a casa própria? Esse é o questionamento que mais ronda os pensamentos de quem tem esse sonho. E, grande parte da população brasileira, ainda tem esse sonho, como o objetivo central de seus esforços.

Você chegou nesse conteúdo buscando entender como financiar o imóvel próprio, requisitos e planejamento, está no local certo. Confira a seguir:

 

Como financiar o imóvel próprio?

O financiamento imobiliário é um dos tipos de financiamento mais atrativos, apresentando diversas opções para vários tipos de clientes. Quase todas as instituições financeiras oferecem linhas de crédito específicas para esse fim, com condições únicas e negociações próprias.

Esse dinheiro, funciona como um “empréstimo” do banco, para que você possa realizar a compra do imóvel próprio. A instituição, com a liberação do valor, paga o vendedor – seja ele pessoa física ou empreendimento – e você assume o pagamento dessa dívida, que consiste no recurso liberado, acrescido de taxas e juros.

Mas, antes do financiamento sair, é preciso preencher uma série de requisitos para comprar um imóvel e passar por uma sabatina com a própria instituição financeira.

 

O que é necessário para financiar um imóvel?

Existem muitas dúvidas sobre o que é preciso fazer para comprar um apartamento, ou casa. Isso é bastante comum e natural. Abaixo, listamos alguns pontos que você precisa saber para conseguir o tão sonhado financiamento.

Documentação necessária:

O primeiro passo, é já entrar em contato com uma instituição, para dar entrada no pedido e acelerar a avaliação para liberação do crédito. Como representa um montante elevado, optar por comprar com um parente ou cônjuge ajuda na revisão da proposta, pois, vai ser somado os ganhos em conjunto.

Dessa forma, os documentos abaixo precisam ser apresentados para cada pessoa que dará entrada, impreterivelmente:

  • Originais e cópias dos documentos de identidade;
  • Comprovantes de estado civil;
  • Comprovante de renda – holerites, declaração completa do Imposto de Renda;
  • Quem não tem renda fixa, apresentar a declaração do IR, mais contratos de prestação de serviço, recibos de pagamento, extrato bancário, Notas Fiscais emitidas, etc.
  • Carteira de trabalho;
  • Comprovante de endereço;

Lembre-se que são dois fatores de peso que vão determinar ao banco suas condições de assumir a dívida. Primeiro deles é a comprovação de renda, uma vez que é muito comum a prática que não pode comprometer mais de 30% da sua renda mensal.

O segundo, é a análise do seu score nos cadastros de inadimplentes. Passado essas duas revisões, a instituição vai definir se está apto ou não para ter o financiamento imobiliário.

Seleção do melhor tipo de financiamento

Depois da avaliação, tanto a instituição, quanto o comprador, avaliam as condições para liberação do empréstimo. Temos atualmente 3 opções de financiamento mais utilizados, abaixo um pequeno resumo sobre cada um deles:

  • Sistema Financeiro de Habitação: O SFH utiliza recursos próprios, provindos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS)  e da Caderneta de Poupança (SBPE). Por utilizar recursos federais, tem algumas limitações, como faixa de renda por família e valor teto de imóveis, que varia por região. Porém, suas taxas de juros não podem ultrapassar 12% ao ano e não pode comprometer mais que 30% da renda mensal.
  • Sistema de Financiamento Imobiliário: Já o SFI, é mais liberal em diversos aspectos. Ele utiliza recursos de fundos de investimentos imobiliários. Por isso, sua taxa de juros é variável e não possui limite de renda e são contemplados imóveis com valor mais elevado. Não existe também a limitação de comprometimento de renda.
  • Direto com a construtora: financiar com a construtora tem vantagens e desvantagens. A vantagem é oferecer condições mais flexíveis e favoráveis na negociação. Em contrapartida, o tempo de pagamento é menor e o risco é alto. 

Nós temos um conteúdo mais completo sobre os tipos de financiamento. Não deixe de conferir antes de escolher a melhor opção.

Avaliação do imóvel a ser financiado

Feito a análise e liberado o empréstimo, o banco então precisa enviar um especialista para avaliar se o imóvel realmente possui o valor solicitado. Em caso de compra diretamente com a construtora essa parte do processo já está feita, o que torna o processo de compra mais rápido.

Depois disso, é dado andamento a compra do imóvel. Emite-se o contrato de venda, registrado em cartório e o crédito é liberado, pagando quem está vendendo. O comprador assume as prestações mensais e o imóvel está “pendurado” junto ao banco.

 

Como se preparar para um financiamento?

Agora que você conheceu os requisitos para comprar um imóvel e já está mais por dentro do assunto, não adianta agir por impulso. Agora é hora de estudar e planejar exaustivamente, afinal, é um investimento alto e uma dívida a longo prazo.

Faça uma simulação do valor do empréstimo

Antes de ir para a escolha, comece a simular. Tenha em mente um valor ideal de imóvel e acesse alguma plataforma financeira que simule esses valores para você.

Assim, você consegue visualizar o valor da parcela mensal, juros e tipos de financiamento. Não esqueça de já inserir o valor da entrada e quantidade de parcelas ideal.

Se programe para dar uma entrada

A maioria das instituições costuma solicitar uma entrada de 20% do valor total do imóvel, mas isso dependerá do perfil de crédito aprovado para cada cliente. Ainda assim, a indicação é oferecer o máximo possível para entrada, tendo em conta que a taxa de juros é calculada sobre o saldo devedor, então quanto menos o saldo, menor a taxa! Utilizar o  FGTS, economias e investimentos, é o melhor recurso para esse fim.

Olho nos gastos e comprometimento mensal

As recomendações gerais é que os gastos com a moradia não ultrapassem 30% da sua renda mensal. Então, independente do tipo de financiamento escolhido, tome esse cuidado para não se “enforcar” e entrar em um ciclo de dívidas.

Faça um planejamento financeiro, considerando a previsão das mensalidades do local. Não se esqueça que, além do pagamento ao banco, existem outras taxas do imóvel. Condomínio, água, luz, internet e impostos, por exemplo.

A organização financeira precisa ser feita e sacrifícios também. Planejar é sempre a melhor alternativa, evitando riscos maiores.

Ademais, sempre estude e pense no seu futuro, planos, entenda o contrato de empréstimo e pense muito bem cada etapa. E para realizar o sonho da compra da casa própria, conte com a Prestes Construtora.